Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Técnica de estudo: Método Cornell

Na corrida pela aprovação, os estudantes utilizam diversas estratégias. Muitos estudantes e especialistas afirmam que as anotações e resumos são ótimos aliados na hora de estudar. Por meio deles é possível recuperar as informações principais de cada matéria e, assim, otimizar o tempo de aprendizado. As técnicas disponíveis são muitas, desse modo, cada estudante pode escolher a que se adapta melhor a sua realidade.

Uma técnica de estudo famosa é o chamado Método Cornell, desenvolvido nos anos 1940, pelo professor Walter Paulo da Universidade de Cornell (EUA). O objetivo é sistematizar os conteúdos estudados de modo a facilitar a retenção das informações no cérebro. Com o passar dos anos essa técnica foi sendo aprimorada por outros estudantes.

Como funciona o Método Cornell?

A ideia é basicamente resumir e registrar pontos chaves dos assuntos. Isso pode ser feito durante ou após uma aula ou uma palestra. Para começar, em uma folha de papel, o estudante deve definir três tópicos. O primeiro destina-se a escrita das ideias fundamentais e palavras chaves. Nesse tópico também podem ser feitos comentários relevante sobre o conteúdo.

O segundo destina-se a referências   outras informações básicas como nomes de autores, fórmulas, datas, conceitos ou qualquer outra característica que sirva de conhecimento adicional sobre o assunto.

Por fim, há a elaboração de sumário. Então, o estudante deve escrever um resumo do que aprendeu com sua próprias palavras. Isso contribui para a fixação no cérebro. É importante que as informações se completem e sigam uma linha de raciocínio lógica, pois o encadeamento facilita a memorização.

Caso você queira testar o método, não esqueça que é de suma importância escrever o resumo com suas próprias palavras. Além disso, lembre de datar as suas anotações e de destacar o tema que está abordado. Quando possível, deixe um espaço extra que poderá servir para posteriores lembretes ou ainda para complementar o que escreveu.

Após a aula, releia as anotações feitas e revise os destaques. Por fim, Caso sinta falta de explicações mais detalhadas, pesquise na internet ou peça a ajuda de um colega de turma ou mesmo do seu professor.

E aí? Gostou das dicas? Então deixe o seu comentário!

Clique aqui para ver mais dicas de estudo.
Veja O que diz o Guia do MEC sobre a redação do Enem.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.