Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

STF suspende nomeação de Alexandre Ramagem no cargo de diretor-geral da PF

Segundo Moraes, na nomeação de Ramagem no cargo de Diretor-geral da Polícia Federal pode ter ocorrido desvio de finalidade, ferindo, assim, os princípios da Constituição.

Em decisão liminar, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem no cargo de diretor-geral da Polícia Federal (PF). A ação foi impetrada pelo PDT.

Por ser liminar, a decisão é em caráter provisório. “Defiro a medida liminar para suspender a eficácia do Decreto de 27/4/2020 (DOU de 28/4/2020, Seção 2, p. 1) no que se refere à nomeação e posse de Alexandre Ramagem Rodrigues para o cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal”, consta no despacho assinado pelo ministro do STF.

Segundo Moraes, na nomeação de Ramagem no cargo de Diretor-geral da Polícia Federal pode ter ocorrido desvio de finalidade, ferindo, assim, os princípios da Constituição.

“Em inobservância aos princípios constitucionais da impessoalidade, da moralidade e do interesse público,” diz o trecho da decisão.

Alexandre Ramagem, amigo da família de Bolsonaro, foi escolhido pelo presidente para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal, em substituição a Maurício Valeixo, exonerado do cargo na última semana.

A decisão

Segundo o ministro, as afirmações de Sérgio Moro, ex-ministro da Justiça,  dão conta de que Bolsonaro queria “ter uma pessoa do contato pessoal dele” no comando da PF, “que pudesse ligar, colher informações, colher relatórios de inteligência”.

“Tais acontecimentos, juntamente com o fato de a Polícia Federal não ser órgão de inteligência da Presidência da República, mas sim exercer, nos termos do artigo 144, §1o, VI da Constituição Federal, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União, inclusive em diversas investigações sigilosas, demonstram, em sede de cognição inicial, estarem presentes os requisitos necessários para a concessão da medida liminar pleiteada”, disse Moraes.

O ministro argumentou ainda que a função do poder Judiciário é impedir atos “incompatíveis” com a Constituição. Ainda segundo Moraes, nomeações para cargos públicos devem respeitar os princípios da moralidade, impessoalidade e interesse público, o que não aconteceu na nomeação do cargo do novo diretor.

“Logicamente, não cabe ao poder Judiciário moldar subjetivamente a administração pública, porém a constitucionalização das normas básicas do Direito Administrativo permite ao Judiciário impedir que o Executivo molde a administração pública em discordância a seus princípios e preceitos constitucionais básicos” disse Moraes.

Veja também: Decisão do STF eleva os atrasados no INSS em até R$150 mil

Leia Também:

brasil 123  
4 Comentários
  1. Sérgio Mazaro Diz

    Sem comentários…. colocação é perfeita!!!! Alguns orgãos da união e estados são para preservar a própria instituição “estado ….” e sua forma de administração através da constituição, caso contrário virá interesses próprios !!!!

  2. Geraldo alves Diz

    Exclusivamente correto , e o outro também tem por obrigatoriedade não ter posse, concordo plenamente com o magistrado,a constituição brasileira não pode fazer e escolher amizade com os princípios da nossa constituição.obrigado Geraldo Alves analista de marketing

  3. José Emídio De Lima Filho Diz

    Essa decisão é o mínimo que o STF deveria fazer, esta corretíssima.

  4. Luciano Nascimento Diz

    Sentí firmeza nesse ministro já passou da hora de acabar com os desbastes desse homem que se diz presidente do Brasil esse tal de Jair. !

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?