Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Governo avalia ‘dia D’ de vacinação em 23 de janeiro

A expectativa do governo é que o dia D de vacinação aconteça ainda este mês. Portanto, a estimativa é de que tenha início no dia 23 de janeiro. Além disso, o objetivo é imunizar todo o país contra o coronavírus.

O imunizante em questão seria o da AstraZeneca em conjunto com a Oxford. Assim, vai depender das 2 milhões de doses chegarem ao país até o dia 20. Então, essa primeira remessa viria da Índia, do Serum Institute, a fabricante da vacina. 

Para saber mais sobre o dia D, acompanhe esse artigo. Dessa forma, saiba quem serão os primeiros a receberem essas doses. Além disso, conheça o plano de vacinação do Brasil.

Brasil quer usar a vacina AstraZeneca/Oxford ainda este mês

A aguardada campanha de vacinação pode acontecer ainda em janeiro. De acordo com o Ministério da Saúde. Desse modo, o plano é iniciar a imunização dos idosos em casas de repouso.

O MS também quer que isso seja feito em todo o país. Assim, a perspectiva do governo é que os insumos da vacina cheguem ao Brasil até o dia 15. A partir disso, a Fiocruz daria início a produção do imunizante. 

Segundo os cálculos do MS, esse laboratório consegue produzir até 15 milhões de doses mensais. Por isso, a proposta é iniciar com 1 milhão de vacinas a cada semana. Então, a produção aumentaria com o tempo até atingir a capacidade máxima.  

Dia D: Anvisa e Fiocruz se reúnem mais uma vez

Na última segunda-feira, dia 4, ambas encontraram-se para tratar da requisição sobre a vacina. Desse modo, o assunto era sobre usar o imunizante no Brasil de modo emergencial. 

O laboratório brasileiro divulgou informações e dados sobre o produto da AstraZeneca, durante a reunião. Contudo, a agência afirmou que aguardará por mais resultados. 

A fim de que mostrem que o insumo indiano é parecido com o britânico. Então, para que o dia D aconteça, a Anvisa necessita de mais comprovações, como:

  • A capacidade da vacina de gerar uma resposta imune ao vírus;
  • Se determinados cria-se anticorpos;
  • As reações de células T;
  • Se haverá qualquer reação alérgica ou anafilática.

Se for comprovada divergências entre os insumos, a agência declarou que estudos devem ser feitos. A fim de mostrar que ambas têm a mesma capacidade e eficácia.

Vacina da Pfizer/BioNTech também poderia ser usada

Uma pesquisadora da Fiocruz acredita que essa vacina possa ser utilizada em áreas urbanas. Caso as 2 milhões de doses da AstraZeneca não cheguem ao Brasil. 

Há uma dificuldade em utilizar-se o imunizante da BioNTech. Porque, ela carece de uma refrigeração com temperaturas extremamente baixas. Contudo, a pesquisadora acredita que se houver uma boa logística, isso seria possível. Sobretudo, nos grandes centros urbanos.

Não usar a vacina da Pfizer por falta de logística, segundo ela, é inaceitável. Assim, áreas mais distantes do Brasil poderiam usar o imunizante da AstraZeneca. Porque, ela requer uma refrigeração mais simples.

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.