Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Pente-fino do INSS em 2020 começa com revisão de 300 mil auxílios;

A expectativa é que sejam convocados mais de 300 mil beneficiários de auxílios-doença

Está previsto para começar ainda neste semestre, o pente-fino nos benefícios por incapacidade do INSS. A expectativa é que sejam convocados mais de 300 mil beneficiários de auxílios-doença, conforme informou uma fonte do setor de perícias médicas da Previdência ao site “Agora”, do Portal UOL.

O governo federal trabalha, no momento, para acelerar essa revisão nos benefícios de modo que ela funcione paralelamente a uma força-tarefa, que envolverá servidores de diversas áreas para destravar a fila de pedidos de benefícios previdenciários e sociais, conforme informou um membro do alto escalão do INSS.

O avanço do pente-fino tem, também, o objetivo de amenizar o possível aumento das despesas da Previdência, caso a força-tarefa consiga aumentar significativamente as concessões. Em 2020, estima-se que cortes de benefícios que dependem de avaliação médica para serem mantidos resultem em uma economia de R$ 5 bilhões para o Governo.

Além da revisão de auxílios, a nova fase do pente-fino também vai revisar o BPC (Benefício de Prestação Continuada) pago a pessoas com deficiência. Inicialmente, a revisão de aposentadorias por invalidez ainda não será foco das novas convocações.

O INSS avalia que as revisões de aposentadorias por invalidez foram praticamente esgotadas pelo pente-fino realizado pelo ex-presidente Michel Temer.

A Secretaria de Previdência reafirmou que pretende iniciar o pente-fino ainda em janeiro. “O pente-fino dos benefícios por incapacidade está previsto para começar este mês. Em breve, será divulgado o cronograma de divulgação de resultados para 2020”, diz a nota da Secretaria de Previdência.

Pente-fino já cancelou mais de 260 mil benefícios

O pente-fino do INSS, previsto na medida provisória antifraude (MP) 871, resultou no cancelamento e na suspensão de 261,3 mil benefícios em quatro meses de trabalho. A ferramenta vem sendo utilizada há quatro meses pelo governo federal.

De acordo com dados do INSS, a medida já resultou em uma economia de R$ 336 milhões e, em um ano, chegará a R$ 4,3 bilhões. Em janeiro, ao editar a Medida Provisória antifraude, o governo projetava uma economia de pouco mais de R$ 10 bilhões neste ano.

No corte de benefícios, há casos de pessoas com salário superior a R$ 15 mil que recebiam o Benefício de Prestação Continuada (BPC), distribuído a idosos e deficientes de baixa renda, há anos, resultando em prejuízo aos cofres públicos.

Além disso, há casos registrados de pessoas mortas que continuavam recebendo os valores mensais e servidores estaduais e municipais que ganhavam o benefício assistencial voltado à baixa renda.

Convertida em lei em junho de 2019, a Medida Provisória antifraude reduziu o prazo para que cartórios comuniquem o INSS sobre novos registros de certidões de óbito, de 40 dias para 24 horas. Antes, com o prazo antigo, o governo acabava desembolsando até dois meses de benefício após a morte até que houvesse a suspensão do repasse.

Análise de benefícios

De acordo com o texto final da MP, o INSS terá acesso a dados da Receita Federal, do Sistema Único de Saúde (SUS), do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e de outros bancos de informações para a análise de concessão, revisão ou manutenção de benefícios. O texto proíbe o compartilhamento, com outras entidades privadas, de dados obtidos junto a entidades privadas com as quais mantenha convênio.

Previstos para durar por dois anos (2019 e 2020), prorrogáveis até 2022, os programas de análise de benefícios com indícios de irregularidades e de revisão de benefícios por incapacidade pretendem continuar o pente fino realizado em anos anteriores em auxílios-doença e aposentadorias por invalidez.

Médicos peritos do INSS receberão um adicional por processo analisado além do horário de trabalho, com ênfase naqueles indicados pelo Tribunal de Contas da União (TCU), pela Controladoria-Geral da União (CGU) e por outros órgãos de investigação. Nesse último caso, o órgão poderá contar com parcerias com governos estaduais e municipais. Nessa lista, o relator, deputado Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), incluiu benefícios pagos em valor superior ao teto do INSS.

O que leva à perda do benefício?

Não enviar os documentos exigidos pelo INSS dentro do prazo de defesa ou ter os documentos enviados considerados insuficientes ou improcedentes.

Como evitar a perda do benefício?

No primeiro passo, para evitar a suspensão do benefício é importante manter os dados cadastrais atualizados no INSS, como o endereço, para não correr o risco de ser notificado e não ver essa notificação.

De acordo com o UOL, o INSS pode considerar o segurado convocado para a revisão mesmo que ele não veja a notificação e vai suspender o benefício caso a pessoa não responda à convocação dentro do prazo. Os dados pessoais podem ser checados e atualizados através do Meu INSS (aplicativo ou site).

É possível recorrer?

Quem tiver o benefício suspenso poderá recorrer pela conta do Meu INSS, ou em agência da própria Previdência Social. O recurso deve ser aberto dentro de 30 dias contados a partir da notificação de perda do benefício pelo INSS.

Veja também: INSS devolve quase R$60 milhões para 800 mil aposentadorias; veja quem pode

Leia Também:

top planilha

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.