Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Governo quer nova PEC para acabar com estabilidade de servidores públicos

Secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Gleisson Rubin, confirmou proposta que prevê fim da estabilidade

O secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Gleisson Rubin, revelou que o governo estuda a possibilidade de encaminhar ao Congresso Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para alterar as regras de estabilidade para servidores públicos.

De acordo com o ministro, a estabilidade é matéria constitucional e, por isso, qualquer mudança nesse sentido demandaria uma PEC. No entanto, ele reconheceu que o tema faz parte dos assuntos que estão sendo debatidos pelo Ministério da Economia em meio à avaliação de que o peso do Estado é excessivo para as contas públicas.

Questionado pelos jornalistas se o fim da estabilidade valeria apenas para os novos funcionários públicos, ele afirmou que o assunto está em debate, mas que essa é a tendência.

“A gente até entende que talvez seja mais factível neste momento você estabelecer uma linha de corte e só fazer discussão que envolva PEC, você fazer isso valer de quem ingressar a partir de agora para frente, nos mesmos moldes do que foi feito quando se instituiu regime de Previdência complementar”, revelou.

O Servidor Público que ingressou a partir de 2013 passou a ter aposentadoria limitada ao teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) podendo aderir à Funpresp para uma previdência complementar.

De acordo com o ministro, o Ministério da Economia atua, no momento, na avaliação de quais instrumentos deverá lançar mão para corrigir problemas na estrutura administrativa. Lembrando que qualquer proposta que tente reduzir a quantidade de carreiras na administração pública – número visto como excessivo pelo governo-,  deve ser feita por lei.

“As discussões que a gente está fazendo levam em consideração a natureza do ato que tem que ser apresentado para cada tipo de alteração, então você tem uma série de disfunções, cada disfunção tem que ser tratada pelo instrumento adequado”, disse o ministro.

Paulo Guedes diz que vai suspender concursos públicos porque há muitos servidores

Nesta terça-feira, 04 de junho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que por causa do inchaço da máquina pública, o atual governo vai optar por não realizar concursos públicos nos próximos anos. Ele participa hoje de uma audiência sobre a reforma da Previdência na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados.

De acordo com Guedes, os governos anteriores contrataram servidores públicos em excesso e concederam reajustes salariais “ferozmente”. Ele não afirmou por quanto tempo os certame ficarão suspensos.

“Nas nossas contas, 40% dos funcionários públicos devem se aposentar nos próximos cinco anos. Não precisa demitir. Basta desacelerar as entradas”, disse o ministro.

O ministro voltou a dizer que o governo vai investir na digitalização de processos e na redução da burocracia para tornar os serviços públicos mais eficientes. Segundo Guedes, o processo de abertura de empresas no país foi simplificado, e essa metodologia será ampliada para outros serviços.

A redução no número de servidores federais da ativa acontece em um momento de crise econômica e rombo das contas públicas. Neste ano, a estimativa do governo é de um déficit de R$ 139 bilhões. Devido à situação fiscal difícil, o governo já estava limitando a abertura de novas vagas no serviço público federal.

Nos últimos anos, o país abriu concursos públicos limitados e com poucas vagas, como por exemplo, os concursos da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Federal (PF), Advocacia Geral da União (AGU) e Agência Brasileira de Inteligência (ABIN). De acordo com especialistas do setor, essa redução pode ser preocupantes se atingir funções importantes e não houver reposição adequada.

Leia Também:

PENSAR CURSOS brasil 123

7 Comentários
  1. Juliano da Silva Ribeiro dos Santos Diz

    Por que o Bolsonaro e esses vádius, não se preocupam com a saúde que está um caos com a educação. Esses militares generais das forças armadas ganham rios de dinheiro sem fazer nada. Eles não tem moral para passar em um concurso e aí ficam perseguindo os concursados. Quem atende mau nas repartições públicas são estes contratos partidários deles que não sabem nada e ficam só fazendo besteira dentro dos governos. Tem que acabar com esses Ccs e contratos políticos.

  2. [email protected] Diz

    Acabar com a estabilidade do servidor é o mesmo que defender os interesses das corporações e voltar ao patrimonialismo.

  3. Paulo Diz

    Todos criticam a estabiludade do servidor público, mas ninguém esclarece que não temos fundo de garantia. Sou servidor do judiciário de Minas Gerais, e desde quando ingressei, na minha comarca o número de processos quadruplicou, colegas se aposentaram, e o quadro não foi reposto. Este governo só fala em corte de gastos porque não tem competência para gerar empregos e arrecadação.

  4. [email protected] Diz

    Esse povo só sabe perseguir misericórdia

  5. [email protected] Diz

    Porque ele não estuda,um jeito de tirar os pobres das ruas dando casa é emprego digno ao invés de mexer com quem tá trabalhando pra manter sua família porque o salário é uma merda e ele não aumenta só impostos que estão um absurdo

  6. TÂNIA MARIA DA SILVA FEITOSA Diz

    Agora o bicho vai pegar kkkk
    enquanto os cortes e mudanças atingiam apenas a classe da CLT estava favorável né? kkkk
    Agora quero ver os Eleitores aplaudirem e abraçarem o seu Presidente eleito kkkkkkkkk
    Infelizmente, o que vejo são políticas a bem dos próprios interesses de uma classe bem pequena de sangue sugas que predominam porque o eleitor se curva diante de qualquer blá blá blá.
    Mais uma vez o chicote será lançado.

    1. Aldeane Diz

      Deveria tirar o salário deles, esses corruptos, que não estão pensando em ninguém ,só no bolso deles.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?