Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Empreendedorismo jurídico: Dicas para abrir seu negócio

Temos mais de 1,2 milhão de advogados no Brasil, tratam-se de profissionais que buscam alta performance, melhoria na produtividade, tem planejamento financeiro, tudo em conformidade com o Código de Ética e Conduta da OAB.

Porém, com a redução dos postos de trabalho e aumento da competitividade, o mercado jurídico já não tem espaço para todos.

Mas as portas vem se abrindo para a inovação, enquanto alguns modelos tradicionais ficam para trás, especialmente para o advogado empreendedor.

Futuro do Empreendedor

Tecnologias como a automação e inteligência artificial abrem um novo universo de possibilidades para empreender no mercado jurídico.

AS lawtechs, startups focadas em soluções tecnológicas para a área jurídica são a prova disso.

Segundo a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), o número de empresas do segmento cresceu cerca de 300% desde 2017 e já conta com quase 150 startups do setor.

Cerca de 80 milhões de processos estão em tramitação no Brasil, segundo o relatório Justiça em Números do Conselho Nacional de Justiça – as lawtechs fornecem produtos e serviços que atendem as demandas de advogados e escritórios.

O que é o empreendedorismo jurídico?

É uma nova forma de encarar a advocacia, replicando boas práticas em um curto espaço de tempo, conquistando assim o mercado.

Perfil do empreendedor jurídico

Empreendedor jurídico é uma pessoa proativa, curiosa, atualizada e utiliza as tecnologias para facilitar processos e promover metodologias laborais.

Esse profissional é totalmente capacitado para prestar serviços, e aperfeiçoado em crimes cibernéticos, e estuda como a internet impactará direitos fundamentais do cidadão em um futuro próximo.

A importância do empreendedorismo jurídico no mercado

O empreendedorismo jurídico otimiza a gestão de informação e aumenta a competitividade porque quem o promove está mudando os processos e a forma de oferecer serviços advocatícios.

Advogados que investem na produção de conteúdo, pode orientar pautas futuras e buscar especialização no ramo pelo qual seus clientes chegam até ele em busca de serviços.

Acesse Agora as Principais Notícias no Brasil e fique atualizado

Inovação da Lawtech

São mais de 100 empresas que dividem as Startups em 13 categorias:

  • Analytics e jurimetria
  • Automação e gestão de documentos
  • Compliance
  • Conteúdo jurídico, educação e consultoria
  • Compliance
  • Conteúdo jurídico, educação e consultoria
  • Extração e monitoramento de dados públicos
  • Gestão de escritórios e departamentos
  • IA e Setor público
  • Redes de profissionais
  • Regtech
  • Resolução de conflitos online
  • Taxtech
  • Civic Tech
  • Real Estate Tech

 

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?