Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Caixa lança crédito imobiliário com correção pela inflação e os juros menores


Nesta semana, a Caixa Econômica Federal anunciou o lançamento de linhas de crédito imobiliário com atualização pelo IPCA, o índice oficial de inflação. As novas linhas, conforme informações do banco, poderão ser usadas no financiamento de imóveis por até 30 anos, com taxas de juros que variam de 2,95% a 4,95% ao ano, mais o IPCA.

Nas linhas anteriores, os juros variavam de 8,50% a 9,75%, mais a Taxa Referencial (TR), que atualmente tem sido zero. Com isso, os bancos ofertam taxas de juros mais próximas de 10%. Com a adoção do IPCA nos contratos, a Caixa reduziu os juros na ponta. O efeito disso é que, nas simulações do banco, as prestações iniciais ficarão mais baixas.

“Vamos manter linhas atuais e oferecer linhas novas, com o IPCA”, destacou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante evento com a presença do presidente do país, Jair Bolsonaro.

De acordo com informações divulgadas, os novos contratos indexados ao IPCA vão valer para novos financiamentos e serão opcionais. Sendo assim, quem quiser poderá fechar contratos com atualização pela TR. A diferença é que, nos contratos atrelados à TR, as prestações iniciais tendem a ser maiores.

Segundo analistas, conforme informado pelo UOL, os empréstimos para a compra da casa própria corrigidos pela inflação representam risco porque, se o IPCA aumentar no período do contrato, o custo do financiamento também aumentará.

Sendo adotado o IPCA, será registrado uma queda de 35% no valor da prestação no caso de um financiamento com taxa mais cara (4,95%), conforme informou o presidente da Caixa. Isso na comparação com os contratos tradicionais, ligados à TR. No caso de contratos com taxa mais barata (2,95%), para clientes com relacionamento com o banco, a queda no valor da prestação foi estimada em 51%.

Os novos contratos vão ter prazo máximo de 360 meses. A quota máxima de financiamento será de 80% do valor do imóvel. As novas condições valem tanto para financiamentos do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), cujo valor do imóvel é de até R$ 1,5 milhão, quanto para os contratos que estão fora do SFH, os do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), que financiam imóveis acima desse valor.

A Caixa e o governo têm expectativa de que se aumente o volume de recursos disponível para financiamento imobiliário. Os contratos indexados ao IPCA terão maior aceitação no mercado e poderão ser renegociados com terceiros pelo banco. É a chamada securitização. Os recursos arrecadados serão uma nova fonte para o financiamento imobiliário.

Como vai funcionar a nova linha de crédito imobiliário da Caixa?

A nova linha de crédito da Caixa terá taxas de 2,95% a 4,95% ao ano mais o IPCA, o índice oficial de inflação. Atualmente, as taxas dos contratos são indexados à Taxa Referencial (TR) mais juros que variam entre 8,30% e 9,95%. A duração do novo financiamento é de até 360 meses na tabela SAC (sistema em que o valor das parcelas diminui com o passar do tempo) e 240 meses na tabela Price (sistema em que o valor das parcelas aumentam com o passar do tempo).

Agora, o banco vai ter duas linhas de crédito e o cliente deverá escolher a mais vantajosa.

Parcelas vão ficar mais caras?

Segundo informações do banco, a resposta é não. A Caixa revelou que o novo produto de crédito, indexado ao IPCA, vai permitir uma queda de 35% no valor da prestação no caso de um financiamento com a taxa mais cara (4,95%). Isso na comparação com os contratos tradicionais, que usam a TR.

No caso de contratos com a taxa mais barata (2,95%), a queda no valor da prestação foi estimada em 51%. 

E com quem já tem financiamento?

Quem já tem financiamento ativo, continuará tudo igual. A modalidade anunciada pela Caixa é apenas para os novos financiamentos. É importante reforçar que o banco vai continuar oferecendo financiamento indexado à TR. Com isso, a decisão de qual dos modelos escolher é do cliente.

Ponto positivo e negativo

O lado negativo é que a inflação é muito mais volátil do que a TR. Com isso, essa nova modalidade pode, se tornar o crédito imobiliário mais caro. O ponto positivo é que a medida vai movimentar o mercado, aquecendo a economia.

A menor exposição dos bancos ao risco de inflação, uma vez que o cliente é que terá de arcar com a variação do IPCA, tem potencial para baratear os juros dos financiamentos.

Portabilidade

Uma vez escolhida a correção pelo IPCA, não será permitido fazer a portabilidade para financiamentos com outro tipo de correção, como a TR. Assim, buscar uma opção melhor em outros bancos só será possível se essas outras instituições oferecerem também crédito imobiliário indexado pelo IPCA.

Leia Também:

top planilha
12 Comentários
  1. Simone Diz

    Eles deveriam abaixar o juros de quem já financiou a casa

  2. André Alves Rezende Diz

    o governo poderia ajudar também os agricultores,em também financiar imóvel rural,ja que até hoje não achei nada semelhante,so via consórcio,que assim eu iria tentar financiar uns 15 hequitares de terra para trabalhar com minha família,uns 350 mil,ja que a vida inteira trabalhamos com arrendamento de terras,o ganho do nosso trabalho da para as despesas de nossa família,e o que sobraria vai pro dono da terra,+ ou – assim,graças a Deus melhor que muitas situações que vemos por aí,mas trabalhamos anos e anos e nunca sobra nada,se financia-se poderia não mudar muito p mim pois a parte do dono da terra eu iria ta pagando prestações,mas um dia eu poderia dizer que e meu,ou pelo menos deixar algo para meus filhos,.

  3. Deise Diz

    Eu queria saber se consigo tirar o meu FGTS inativo todo para fazer o muro da minha casa

    1. Josiano Diz

      Boa noite. Você não pode utilizar FGTS para essa finalidade. O FGTS pode ser usado sozinho para compra de imóvel residencial para quem não possui e pode ser usado junto com financiamento habitacional para construção ou aquisição de imóvel residencial para quem não possui imóvel residencial ainda.

  4. Eneli Nunes Guimaraes Diz

    Agora não entendo a Coabh foi embora pra BH e não mais as minhas parcelas, e me fizeram assinar uma confissão de dívida. O que eu faço?

    1. Rosilene Diz

      Eu queria saber se consigo financiar pos meu marido yem o nome restrito

  5. Keyth Morais Diz

    Olá Bom Dia!
    Estamos financiando uma casa.
    O processo já está montado, só que devido a falta de autorização por falta de dinheiro, “Paralização” .
    Estamos aguardando, Gostaria de saber, quando volta a normalização?
    Agradeço de Agora!
    Keyth Morais

  6. Edivan costa de Assis Diz

    Eu quero um empréstimo usando o FGTS como eu faço

    1. Eneli Nunes Guimaraes Diz

      Estou tentando quitar uma confissão de dívida do meu imóvel, que já está quitado com o meu FGTS e não consigo entender pq moro neste imóvel que é da Coabh há mais de trinta anos e até hoje eles me enrolam e não me dão minha escritura estou pagando dois imóveis em um.

  7. Edivan costa de Assis Diz

    Eu quero um empréstimo usando o FGTS, como pagamento como posso fazer,

    1. Oziane Diz

      Então voltamos aos tempos antigos, que uma pessoa compra um imóvel com a prestação mais baixa, só que a prestação vai aumentando e o seu salário não acompanha, você não tem condição de pagar e perde o imóvel,, isso já aconteceu comigo, comprei um outro pelas regras do contrato minha casa minha vida e as prestações caem todos os meses.Comecei pagando a prestação um pouquinho mais alta mas agora já vem caindo gradualmente,pela lógica se você começa a pagar uma prestação alta e ela vai caindo você vai se adequar muito melhor do que você começar com a prestação baixa e ela ir aumentando. A quem eles querem enganar?????

      1. Luciana Diz

        Não podemos usar o FGTS para tratamento de dentes

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.