Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Bolsonaro recua e não troca comando da PF; Moro quer escolher substituto

Bolsonaro recuou e adiou, por ora, a demissão do delegado do comando da PF.

O ministro Sergio Moro pediu demissão a Jair Bolsonaro ao ser informado pelo presidente da decisão de trocar a diretoria-geral da Polícia Federal, hoje ocupada por Maurício Valeixo. No entanto, Bolsonaro recuou e adiou, por ora, a demissão do delegado do comando da PF.

A tentativa de Bolsonaro de trocar o comando da PF levou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, a pedir demissão do cargo. Em reunião na última quarta-feira (22), Moro afirmou que se demitiria na hipótese de exoneração de Valeixo. O delegado é um homem de confiança do ministro na PF, órgão vinculado à pasta da Justiça.

O entendimento é que Valeixo deixe o cargo nos próximos meses. Atualmente, de acordo com interlocutores do ministro, o ponto principal do embate entre Moro e Bolsonaro não é mais garantir a permanência de Valeixo no cargo, mas sim escolher o sucessor dele. O atual ministro Sérgio Moro quer ter poder na nomeação do sucessor.

Os demais ministros conseguiram convencer Bolsonaro a manter Valeixo no cargo. Segundo o site Valor Econômico, do “O Globo”, ao menos três generais ligaram para Moro, que também recebeu diversas mensagens de parlamentares ligados a Jair Bolsonaro. Todos eles pediram para que o ministro fique no cargo.

O ministro Sérgio Moro tem receio, no momento, que um delegado de perfil político, e não técnico, assuma o comando da Polícia Federal. O preferido de Bolsonaro para assumir a PF é o delegado Anderson Gustavo Torres, secretário de Segurança Pública do Distrito Federal. Ele tem o apoio do governador Ibaneis Rocha e do MDB. Além disso, Torres é amigo do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

No dia 22, ontem, Ibaneis e o presidente conversaram sobre a troca de comando em reunião ocorrida no Palácio (sem a presença de Moro). O Ministro ficou sabendo do encontro depois, através de um assessor.

Além de Torres, o diretor da Agência Brasileira de Informação (Abin), Alexandre Ramagem, também é cotado para dirigir a PF. Ele conta com o apoio do vereador carioca Carlos Bolsonaro e a simpatia do general Augusto Heleno.

De costume, quando o diretor-geral da PF deixa o cargo, ele indica ao menos três nomes de potenciais substitutos e os entrega ao ministro da Justiça, que os submete ao presidente da República.

Veja também: Auxílio de R$600 é ampliado para mais brasileiros; veja a lista

Leia Também:

brasil 123  
2 Comentários
  1. Higino Diz

    Se Eu fosse jornalista não publicaria fake

    1. Higino Diz

      Parabéns pela reportagem

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?