Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

O reajuste de remuneração de servidores da União não compete ao Poder Judiciário

Uma servidora pública provocou o Judiciário para questionar a omissão da União

A autora, que exerce o cargo de escrivã da Polícia Federal, pediu na Justiça a revisão geral de remuneração da categoria pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no percentual de 32,16%. Na ação, ela argumentou omissão da União em não promover a revisão anual da remuneração dos servidores públicos, assegurada pelo art. 37 da Constituição Federal. No entanto, o pedido da autora foi julgado improcedente na primeira instância.

Da apelação

Na apelação ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), a autora ressaltou que o pedido dela não estava relacionado com a pretensão de reajuste salarial. Posto que depende de lei de iniciativa do Presidente da República. Portanto, o pedido se refere à revisão de remuneração correspondente à inflação do período de 2009 a 2014.

Segundo a apelante, várias carreiras, inclusive a de delegados e peritos da Polícia Federal, foram contempladas com uma recomposição promovida em 2012 por meio da Lei nº 12.775/2012; entretanto, demais servidores não foram contemplados pela norma. Dessa forma, a recorrente defendeu a extensão da revisão de remuneração apenas para recompor o poder aquisitivo da moeda.

Lei específica

O caso foi analisado pela 2ª Turma do TRF-1, sob a relatoria do juiz federal convocado Alysson Maia Fontenele, que destacou: a revisão geral da remuneração dos servidores públicos da União encontra previsão no art. 37, X, da CF; contudo, “o mencionado dispositivo legal não é auto aplicável. Isto porque, pressupõe a edição de lei específica para a fixação ou alteração da remuneração dos servidores públicos Portanto, garante apenas o direito à irredutibilidade daquela remuneração e a proteção da perda do poder aquisitivo decorrente do fenômeno inflacionário”.

Segundo o magistrado, “por força do disposto no art. 61, § 1º, II, alínea “a” e art. 84, II, ambos da Constituição Federal, denota-se que a garantia constitucional da revisão anual da remuneração dos servidores públicos pressupõe a edição de lei de iniciativa da Presidência da República”.

Isonomia

O juiz federal destacou que o percentual de 15,8%, instituído pela Lei 12.775/2012 a várias categorias de servidores da Polícia Federal, não possui natureza de reajuste geral de vencimentos. Assim, sendo inviável sua extensão aos demais servidores em face do óbice da Súmula 339/STF convertida na Súmula Vinculante n. 37: “Não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos sob fundamento de isonomia”.

Portanto, ao concluir, o relator afirmou que, “em que pese à inércia do Poder Executivo na edição de lei específica de sua iniciativa privativa, no que se refere à recomposição da remuneração do funcionalismo público, não pode o Poder Judiciário, que não tem função legislativa, reajustar tal remuneração, determinando a aplicação de índices inflacionários, sob pena de violação ao princípio da separação dos poderes”.

Por isso, nesses termos, o Colegiado, acompanhando o relator, negou provimento à apelação.

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

brasil 123  
2 Comentários
  1. BARÃO DE ITARARÉ Diz

    Interessante que esse mesmo judiciário que diz não ter poder de legislar assim o fez e vem fazendo (através dos “queridos” ministros do STF) quando oferece denuncia, investiga e julga (tudo ao mesmo tempo) quando lhes convém. Esse mesmo judiciário que diz que não pode dar a correção monetária aos demais servidores da PF sob a estapafúrdia alegação de que não cabe ao judiciário fazê-lo já que é do executivo essa incumbência. Ora, então para que serve a CF? NELA está bem claro que é DIREITO do servidor ter seus vencimentos atualizados e corrigidos monetariamente para não perder o poder aquisitivo. Então se esse texto por si só não enseja atitude (previamente provocada, é claro) por parte do judiciário então para quê serve a carta magna? Mais uma lei inócua? Na verdade esse modus operandi de “Pôncio Pilatos” por parte do caro e inútil judiciário já é reincidente. Eles (judiciário) na verdade não gostam de fazer nada, a menos que seja do seu interesse (leia-se defender intere$$e$ da classe, defender “os seus” ou por pressão da mídia -desses eles têm medo, pois manipula a opinião pública e queima o já torrado filme dos especialistas de gabinete). Rui Barbosa já nos alertava: “A PIOR DITADURA É A DO JUDICIARIO, POIS DELA NAO HA A QUEM RECORRER”.

    1. BARÃO DE ITARARÉ Diz

      Perdão eventuais erros de grafia, mas meu editor do telefone está terrível ….

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?