Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Resolução sobre direitos de pessoas LGBTI presas será votada pelo CNJ

O CNJ votará proposta de resolução que estabelece diretrizes e procedimentos que o Judiciário deverá observar, no âmbito criminal, para reduzir a vulnerabilidade de pessoas LGBTI.

A proposta de resolução é para marcar o Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia, comemorado em 17/05.

A elaboração da resolução tem como princípio a dignidade humana, a resolução estabelece parâmetros para o tratamento da população lésbica, gay, bissexual, transexual e travesti.

Especialmente, as pessoas que se encontrem em custódia, acusada, ré, condenada, privada de liberdade, em cumprimento de alternativas penais ou monitorada eletronicamente.

O objetivo é promover e assegurar os direitos fundamentais da população LGBTI submetida à investigação criminal e ao processo penal e mitigar a elevada vulnerabilidade.

Acesse Agora as Principais Notícias no Brasil e fique atualizado

O relator da proposta de ato normativo, conselheiro Mário Guerreiro, observa que o cenário atual é marcado pela intolerância com a diversidade de gênero.

E também, da orientação sexual, fato que expõe a população lésbica, gay, bissexual, transexual, travesti ou intersexo a graves situações de discriminação e violência.

Portanto, o objetivo é coibir as diversas formas de violência a que está submetida a população LGBTI.

E assim, evitar que o processo criminal ou a aplicação de pena represente maior marginalização e restrição de direitos”, afirma Guerreiro.

Juntamente com a CF e nas mais recentes decisões do STF, a minuta contempla também, dispositivos previstos nos principais diplomas internacionais que abordam o tema.

Para Guerreiro, mesmo diante de toda estrutura jurídica, a especial suscetibilidade à violação de direitos demanda atos normativos específicos que ainda são escassos.

Ele afirma que, ao elaborar a resolução, o CNJ cumpre seu papel central de atuar no controle administrativo e financeiro do Poder Judiciário.

Atuando também no estabelecimento de políticas judiciárias de âmbito nacional.

Leia Também:

brasil 123  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?