Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Justiça determina a liberação de documentos para transferência de estudantes de universidade investigada 

A decisão contempla o pedido de estudantes aprovados em processos seletivos de outra instituição 

O desembargador federal André Nabarrete, da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), concedeu liminar favorável à cinco estudantes de medicina. Assim, determinou à Universidade Brasil de Fernandópolis/SP, a entrega dos documentos necessários para a transferência de cinco estudantes do curso de medicina. Eles foram aprovados em processo seletivo de outra instituição de ensino. 

Entretanto, em razão da pandemia da Covid-19, a documentação deve ser enviada por e-mail, sob pena de multa diária de R$ 10 mil. A determinação era para que o envio fosse realizado no prazo de 24h.

Investigação

A Universidade Brasil é investigada por fraude nas vagas destinadas ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e ao Programa Universidade para Todos (Prouni). 

A instituição efetuou um número maior de matrículas do que o autorizado pelo Ministério da Educação (MEC). Em fevereiro de 2020, na Ação Civil Pública 5000918-88.2019.4.03.6124, a 1ª Vara Federal em Jales/SP determinou, em medida liminar, o afastamento do então reitor e a nomeação de novos administradores pelo MEC. 

Na primeira instância

Os estudantes já haviam conseguido liminar em primeira instância para a transferência.  Entretanto, o desembargador federal André Nabarrete afirmou que a decisão havia sido concedida “de forma genérica”, dando margem ao descumprimento pela universidade.

Documentos atualizados

O magistrado determinou que a Universidade Brasil deve encaminhar aos universitários os seguintes documentos: declaração da instituição de origem autorizada ou reconhecida pelo MEC; declaração de conduta escolar; declaração da situação junto ao Enade; histórico escolar completo; critérios de avaliação do curso; planos de ensino; e ementas originais das disciplinas cursadas. 

Todos os documentos devem seguir a grade curricular de 2015 e ser atualizados com as notas do segundo semestre de 2019. 

Princípio da razoabilidade

Por fim, o desembargador destacou que a autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial das universidades deve ser exercida com respeito e em harmonia com o princípio da razoabilidade no âmbito da administração pública.

“Não é razoável que (os estudantes) sejam impedidos de prosseguir na graduação em outra instituição de ensino; notadamente porque se dispõem a honrar os custos financeiros decorrentes”, finalizou.

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

brasil 123  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?