Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Condenação de balconista que apresentou atestado falso é mantida pelo TJSC

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em decisão unânime, manteve a condenação imposta a uma ex-funcionária de uma loja de departamentos de Florianópolis (SC) que utilizou atestado médico falso para não trabalhar. O fato aconteceu no ano de 2012. 

Atestado médico falso 

De acordo com os autos do processo, o documento apresentado pela trabalhador declarava: “Atesto para os devidos fins que (nome) necessita de cinco dias de atestado por motivo de doença”. 

No entanto, o patrão da balconista, desconfiado, entrou em contato com a médica e esta lhe disse duas coisas: “Nunca atendi tal pessoa e esta assinatura não é minha”. 

Prestação de serviços à comunidade

Na primeira instância, a mulher foi condenada, pelo crime de falsificação, a um ano de reclusão, entretanto, a pena substituída pela prestação de serviços à comunidade. 

Limitação de final de semana

Todavia, a mulher recorreu da decisão condenatória do juízo de primeiro grau. No recurso de apelação, a mulher requereu a substituição da pena serviços à comunidade por limitação de sair no fim de semana. 

A apelante declarou que cuida sozinha da filha, é autônoma, não pode contar com nenhum parente e, por essa razão, não terá tempo de cumprir os serviços comunitários.

Discricionariedade do magistrado

No Tribunal, o desembargador Sidney Eloy Dalabrida, relator da apelação da mulher, esclareceu que incumbe ao magistrado, utilizando-se da discricionariedade que lhe é inerente e desde que respeitados os ditames legais, estabelecer a pena substitutiva que considera mais adequada à conduta praticada.

Sem direito à escolha

Do mesmo modo, o relator afirmou que o réu não tem o direito de escolher qual tipo de pena deve cumprir, isto porque, no direito brasileiro a fixação da espécie de pena alternativa é tarefa do juiz, ao contrário de algumas legislações que determinam a audiência e a concordância da defesa. Como ocorre, por exemplo, no Código Penal português, frisou o magistrado.

Por isso, o relator votou pela manutenção da sentença originária e foi acompanhado de foi acompanhado pelos demais membros 4ª Câmara Criminal, os desembargadores Luiz Antônio Zanini Fornerolli e Alexandre d’Ivanenko.

(Apelação Criminal nº 0015325-44.2016.8.24.0023).

Fonte: TJSC

Acesse Agora as Principais Notícias no Brasil e fique atualizado

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?