Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Diferença de salários: não é possível a equiparação entre terceirizados e empregados de empresa pública

O Plenário do STF firmou entendimento no julgamento de recurso da Caixa Econômica Federal (CEF) contra decisão do TST

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria de votos, que não é possível a equiparação de direitos trabalhistas entre terceirizados e empregados de empresa pública. 

O entendimento foi firmado no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 635546, com repercussão geral reconhecida (Tema 383), encerrado em 21/09 em sessão virtual.

Atividade fim da empresa pública

O RE foi interposto contra decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que condenou a Caixa Econômica Federal (CEF) a pagar verbas trabalhistas a funcionária terceirizada, por entender que, conforme o conjunto de fatos e provas apresentados nos autos, ela exercia tarefas ligadas à atividade-fim da empresa pública.

Divergência

A maioria dos ministros do STF divergiu do relator, ministro Marco Aurélio, que votou pelo desprovimento do recurso da Caixa. De acordo com o ministro, o TST, em momento algum, reconheceu o vínculo de emprego da funcionária terceirizada, limitando-se a declarar o direito à diferença entre a sua remuneração, por idêntico serviço, e a dos empregados da Caixa. O voto do relator foi acompanhado pelos ministros Edson Fachin e Ricardo Lewandowski e, com ressalvas, pela ministra Rosa Weber.

Livre iniciativa e livre concorrência

No entanto, no julgamento,  prevaleceu o voto do ministro Luís Roberto Barroso, no sentido de que o entendimento do TST conflita com a decisão do Supremo na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 324. Na ocasião do referido julgamento, a Corte reconheceu a constitucionalidade da terceirização tanto da atividade-fim quanto da atividade-meio, com base nos princípios da livre iniciativa e da livre concorrência, garantindo aos agentes econômicos a decisão sobre como estruturar a sua produção.

Diante disso, o ministro Luís Roberto Barroso declarou: “Exigir que os valores de remuneração sejam os mesmos entre empregados da tomadora de serviço e da contratada significa, por via transversa, retirar do agente econômico a opção pela terceirização para fins de redução de custos (ou, ainda, incentivá-lo a não ter qualquer trabalhador permanente desempenhando a mesma atividade)”.

Ressalva de direitos

Da mesma forma, o ministro lembrou que a decisão proferida na ADPF 324 ressalvou expressamente alguns direitos que devem ser assegurados em igualdade de condições aos empregados da empresa tomadora de serviços e da contratada, como treinamentos, material e normas de segurança e saúde no trabalho. 

No entanto, esse entendimento não se aplica à remuneração. “Os mesmos princípios (da liberdade de iniciativa e livre concorrência) proíbem que se imponha à contratada as decisões empresariais da tomadora do serviço sobre quanto pagar a seus empregados, e vice-versa”, concluiu.

O voto do ministro Barroso foi acompanhado pelos ministros Luiz Fux e Carmen Lúcia.

Situação fático-jurídica

Também divergiu do voto do relator, o ministro Alexandre de Moraes que argumentou, diante da licitude da terceirização, inclusive da atividade-fim, a mera identidade das funções desempenhadas entre o terceirizado e o empregado concursado (suporte fático) não basta para pleitear os mesmos direitos. 

Nesse sentido, o ministro esclareceu: para que isso ocorra, também é necessário haver natureza idêntica de vínculo empregatício (suporte jurídico). 

Acesse Agora as Principais Notícias no Brasil e fique atualizado

Concurso público

No caso concreto, a investidura de empregado da CEF depende de prévia aprovação em concurso público, o que produz uma situação jurídica específica, que não é a mesma da funcionária terceirizada que pediu a equiparação.

Seu voto foi acompanhado pelos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

Tese

A tese de repercussão geral será definida posteriormente. Isto porque, os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes propuseram diferentes teses para a matéria.

Fonte: STF

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

1 comentário
  1. Moreira Diz

    Mas que engraçado porque as obrigações são as mesmas!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?