Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Caminhoneira vítima de assalto recebe aumento de indenização na Justiça

Por meio de recurso, uma motorista de caminhão solicitou o aumento no valor da indenização por danos morais que ela deverá receber do ex-patrão. Os integrantes da Sétima Turma do TRT de Minas julgaram favoravelmente ao recurso,  uma vez que o assalto fora sofrido no trabalho.

Então, entendeu-se que o valor de R$ 3 mil, anteriormente fixado na sentença, era inadequado, levando-se em consideração a gravidade dos prejuízos morais que o assalto causou à trabalhadora. 

Assim, de forma unânime, a Turma decidiu elevar a indenização para R$ 8 mil.

Entenda o caso

A motorista, que tinha como atividade o transporte de combustíveis e abastecimentos de postos, foi vítima de assalto quando subia a serra de Itaguara. Na ocasião, ela estava com um colega que a acompanhava na viagem.

Por ser esta uma atividade de risco, a sentença do juízo da 2ª Vara do Trabalho de Varginha concluiu pela responsabilidade objetiva do empregador quanto aos danos morais sofridos pela empregada em razão do assalto. A mesma decisão foi mantida pela Turma revisora.

Em relação ao valor da indenização, os julgadores da Turma entenderam que o valor fixado na sentença era inadequado. Isto levando-se em consideração a natureza grave dos abalos morais sofridos pela trabalhadora. Além disso, o fato de que o empregador não ofereceu a devida assistência à motorista e a seu colega na ocasião do assalto contribuiu para a elevação do valor da indenização.

“Segundo pontuou o relator, a jurisprudência do TST (a exemplo do RR – 356-03.2014.5.20.0008, Relator Ministro: Mauricio Godinho Delgado, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 11/12/2015) considera objetiva a responsabilidade por danos morais resultantes de assalto, relativamente a empregados que exerçam atividade de alto risco, tais como bancários, motoristas de carga (caso da autora), motoristas e cobradores de transporte coletivo e outros. Essa responsabilidade objetiva do empregador esta prevista no artigo 927, parágrafo único, do Código Civil Brasileiro”, informou o release.

De acordo com a decisão, para a elevação do valor da indenização, além do critério da extensão do dano, também foram considerados o grau de culpa do empregador e sua capacidade financeira. Além disso, levou-se em conta o caráter pedagógico da reparação e os princípios da razoabilidade e proporcionalidade.

Fonte: TRT de Minas

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

brasil 123  
2 Comentários
  1. José Luiz Martins Diz

    E os patrões estão mais preocupados com os lucros do que com a segurança dos seus funcionários. Ganham muito e podem pagar esse valor.

  2. José Luiz Martins Diz

    Certíssimo essa decisão uma vez que esses funcionários se desgastam emocionalmente devido o risco que sentem em sofrer um assalto

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?