Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Jovem de 22 anos é nomeado em seis concursos! ‘Tem de estudar até passar’

O servidor Marcos Alberto de Oliveira, 22 anos, morador do Distrito Federal, coleciona diversas posses em concursos públicos pelo Brasil. Atualmente, o jovem que já foi nomeado seis vezes, é auditor do Tribunal de Contas da União. O salário é de nada menos que R$ 18 mil por mês, pouco menos que o salário líquido do governador do Estado.

Marcos nasceu em Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul, e conta que o segredo do sucesso é nunca “desistir”. O gosto pelos concursos públicos surgiu após ser aprovado, com 16 anos, no curso de economia na Universidade Federal de Santa Maria.

As aprovações em concursos começaram cedo, quando tinha apenas 18 anos. Ele conquistou duas vagas no concurso do Banco do Brasil e nos Correios, como escriturário e atendente comercial, respectivamente. “Tive que me mudar para uma cidade de 6 mil habitantes chamada Bossoroa e trancar a faculdade. Aos 20 anos, passei no Ministério Público da União e na Defensoria Pública do Rio Grande do Sul.”

Marcos conta que trancou a matrícula da faculdade e voltou a fazer economia, na região de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. “Nesse período fiz até 11 matérias em um semestre para conseguir me formar mais rápido e prestar concursos de nível superior.”

Almejando voos maiores, Marcos decidiu realizar o concurso do Tribunal de Contas da União no ano passado. “Fiz as contas de quanto tempo levaria para me formar, visto que o cargo de auditor demanda graduação de nível superior, e vi que poderia prestá-lo. Fiz a prova em agosto e passei”, afirmou.

Em dezembro, ele foi nomeado e se mudou para o Lago Norte, em Brasília. Marcos ainda afirma que motivação, persistência, dedicação e disciplina são os principais “segredos” para conseguir um cargo público.

Vindo de família simples, Oliveira conta que sempre estudou em escolas públicas ou por meio de bolsas integrais em  colégios particulares.

“Minha família sempre me apoiou. Ninguém nunca passou em concurso público. Você tem que estudar até passar, nunca desisti. Estudava até 10 horas por dia, sempre com apostilas ou vídeos-aula. Estudava de manhã, tarde, noite e madrugada”, diz.

Segundo o jovem, fazer “milhares” de questões de provas passadas e estudar com material de ponta faz a diferença na hora do resultado.

“O mais importante de tudo é querer ser servidor público.Gosto se lembrar que a estabilidade dos concursados é fictícia, e que devemos sempre estar prontos para nos adaptarmos as mudanças do país.”

Mesmo tendo alcançado um cargo alto, Oliveira diz que ainda continua estudando para conquistar novas estapas. “Apesar do TCU ser uma das carreiras do topo e ter sido eleita a melhor instituição pública para trabalhar, ainda quero fazer muito mais.”

O jovem também pretende investir em projetos paralelos. Ele quer se tornar um empreendedor e lecionar em universidades. “Acho que não tenho sonhos, considero mais metas. Quero crescer profissionalmente, mudar a realidade a minha volta.”

Oliveira também não pretende adquirir objetos luxuosos ou de marca. “Quero comprar um carro, por exemplo, mas nada vultuoso. Quero talvez comprar uma casa própria e ajudar minha família que continua morando no Sul”, completa.

Comentários estão fechados.