Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Guilherme Boulos critica autonomia do BC

 

Em seu novo artigo publicado na Folha de São Paulo nesta semana, Guilherme Boulos trata sobre a aprovação, a toque de caixa, da autonomia do Banco Central na Câmara dos Deputados, que foi votada na última semana.

“Arthur Lira passou a boiada da autonomia do Banco Central, sem discussão com a sociedade, em meio ao caos da pandemia. Ilustração perfeita do casamento entre autoritarismo e neoliberalismo que dá as cartas no país”, aponta o ex-candidato à Prefeitura de São Paulo nas últimas eleições.

Guilherme Boulos também lista os nomes de uma série de ex-presidentes do Banco Central para demonstrar que os interesses do mercado financeiro já davam as cartas no Banco Central através de um mecanismo chamado de “porta giratória”. “Presidentes e diretores da instituição quase sempre voltam ao mercado passada sua estadia no BC. […] Imaginem alguém, em qualquer área, com a função de fiscalizar seus ex-chefes e futuros chefes. Teria alguma isenção para contrariar interesses em nome do que é melhor para o país ou para o povo?”, reflete o militante do PSOL e do MTST.

“A autonomia do BC institucionaliza essa entrega do galinheiro na mão das raposas”, conclui Guilherme Boulos, que reflete: A alegação é blindar a instituição da “influência política”. Mas quem blinda o BC da influência do mercado?”.

PSOL vai recorrer a aprovação de autonomia do Banco Central

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados aguarda a sanção presidencial do projeto de autonomia do Banco Central para entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no STF (Supremo Tribunal Federal) e barrar o projeto na Justiça.

O PSOL busca os outros partidos de oposição para que a ação seja conjunta e com isso ganhe força política para ser avaliada o quanto antes pelo STF.

A questão principal é o vício de origem, já que o projeto deveria vir do Executivo para ser avaliado pelo parlamento, avaliam os parlamentares. O texto aprovado pelos deputados veio do Senado e os parlamentares rejeitaram um apensado que veio do Executivo

Leia a íntegra do artigo aqui.

Veja ainda: Senado cria cargo de liderança da oposição

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.