Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Flávio Bolsonaro: advogada do senador confirma ajuda da Abin

Flávio Bolsonaro: advogada do senador confirma ajuda da Abin
À esquerda, o senador Flávio Bolsonaro; à direita, Fabrício Queiroz (Imagem: Reprodução Instagram)

A advogada de defesa de Flávio Bolsonaro, Luciana Pires, confirmou nesta sexta-feira que a Agência Brasileira de Inteligência – Abin – realmente produziu relatórios para auxiliar o filho do presidente da República. Em entrevista à Época, ela explicou que o diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, foi o responsável pela entrega dos documentos.

“Nenhuma orientação do Ramagem [entregue a nós] o Flávio seguiu ou me pediu para seguir. Eu não tenho contato nenhum com o Ramagem. Ele ia ajudar em quê? Ele não tem a menor ideia do que está acontecendo lá dentro (da Receita), eu tenho mais informação do que ele. Ele sugeriu esse monte de ação que ninguém seguiu nada”, afirmou ela à revista.

A polêmica envolvendo os dois supostos relatórios entregues por Ramagem à defesa de Flávio Bolsonaro começou no dia 11 de dezembro. Naquele momento, a própria Revista Época divulgou informações sobre o auxílio da Abin.

Que acusações recaem sobre Flávio Bolsonaro

O caso envolvendo Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz começou a ser investigado em 2018 a partir de um relatório do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf). Segundo o órgão, que atua na prevenção do combate houve uma série de transações suspeitas na conta de Queiroz. Umas das transações, inclusive, envolve um cheque de 24 mil reais depositado para a atual primeira-dama, Michele Bolsonaro.

Por conta do relatório, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou na investigação e chegou ao esquema das rachadinhas no gabinete de Flávio Bolsonaro. Com o avanço das investigações, Queiroz foi preso em junho deste ano, após ser encontrado no escritório do advogado da família Bolsonaro.

As investigações continuam e Flávio Bolsonaro ainda pode ser considerado culpado ou absolvido ou absolvido das acusações de envolvimento com o esquema de corrupção.

Leia também: Bolsonaro diz que não vai tomar vacina contra Covid-19

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.