Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Governo modifica algumas regras para facilitar o Pronampe

Programa emergencial de acesso ao crédito para pequenas e médias empresas

O projeto ainda não foi liberado mas já sofre alterações, pensando em facilitar a vida do empreendedor.

Medida provisória foi publicada no Diário Oficial essa semana, estabelecendo regras para facilitar o acesso a crédito pelas pequenas e médias empresas no âmbito do Programa Emergencial de Acesso a Crédito.

Medida Provisória 975/2020 autoriza a ampliação de até R$ 20 bilhões de recursos da União ao Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), gerido pelo BNDES.

O programa emergencial de acesso ao crédito tem como objetivo dar cobertura/garantia em operações de crédito contratadas e preservar empresas – emprego e renda – durante a pandemia.

Quais os requisitos para aderir o programa?

O programa é destinado a pequenas e médias empresas que sejam estabelecidas, ou tenham sede no país, e que tenham tido no ano-calendário de 2019 uma receita bruta superior a R$ 360 mil e inferior a R$ 300 milhões.

O Programa Emergencial de Acesso a Crédito ficará sob a supervisão do Ministério da Economia, que se incumbirá de normatizar os limites e critérios de que trata a Medida Provisória.

A Medida Provisória alterou a Lei que instituiu o Pronampe – Lei nº 13.999/2020 -, para estabelecer que o Fundo Garantidor de Operações – FGO do Banco do Brasil cobrirá até 100% de cada operação, sendo que o limite de cobertura será de até 85% do total da carteira de cada instituição financeira concedente.

Isso significa que haverá cobertura integral das primeiras perdas.

Empresas com menos de um ano terão limite de empréstimo de 50% do capital social ou até 30% da média do faturamento mensal.

Porém o início da operacionalização ainda depende da regulamentação da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, do Ministério da Economia.

Instituições financeiras

As instituições citadas devem aderir ao programa para oferecer a linha de crédito nas condições estipuladas.

  • Banco do Brasil S.A.,
  • Caixa Econômica Federal,
  • Banco do Nordeste do Brasil S.A.,
  • Banco da Amazônia S.A.,
  • Bancos estaduais e as agências de fomento estaduais,
  • Cooperativas de crédito e os bancos cooperados,
  • Instituições integrantes do sistema de pagamentos brasileiro,
  • Plataformas tecnológicas de serviços financeiros (fintechs),
  • Organizações da sociedade civil de interesse público de crédito, e
  • Demais instituições financeiras públicas e privadas autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil

Lembrando que o projeto ainda depende de uma regulamentação, mesmo com todas as necessidades que as empresas vem passando, infelizmente o projeto ainda depende de outras aprovações para ser liberado.

Leia Também:

brasil 123  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?