Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Guedes: Governo não estenderá auxílio emergencial em 2021

O ministro disse que será necessário respeitar o teto de gastos, que limita o crescimento dos gastos públicos à inflação medida no ano anterior.

Neste fim de semana, em evento promovido pela XP Investimentos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou que o Governo Federal estenderá o auxílio emergencial para 2021. Segundo ele, será respeitado o teto de gastos após o período de calamidade neste ano em função da pandemia do novo coronavírus.

Além disso, Guedes confirmou que ainda busca implementar um imposto sobre transações, nos moldes da antiga CPMF. A medida visa bancar a ampla desoneração da folha das empresas dentro de plano para impulsionar a geração de empregos.

“Eu não me importo se o tributo é feio desde que ele funcione criando novos empregos. É válido. Mas então eu dei uma informação errada ontem, porque é esse o sentimento. Primeiro eu disse: ‘Bem, talvez eu deveria ter falado com ela (repórter)’. Aí quando eu falo com ela, é o mesmo assunto, a mesma porcaria, que é: ‘Você está criando uma nova CPMF?’. Não, de jeito nenhum. Ao invés de explicar, eu disse: ‘Escute bem, eu esqueci, eu desisti'”, disse o ministro.

Sobre o auxílio emergencial, Guedes revelou que seguirá somente até dezembro. “Não há qualquer plano para estender o auxílio, nenhum. Isso não é verdade. Isso não é nossa intenção, não é o que o presidente disse. Não é o que o ministro da Economia quer. De jeito nenhum”, afirmou ele.

O ministro disse que será necessário respeitar o teto de gastos, que limita o crescimento dos gastos públicos à inflação medida no ano anterior.

“Quando a pandemia nos atingiu, nós criamos um regime emergencial. Agora, nós não podemos utilizar a desculpa do regime emergencial para explodir o teto de gastos”, disse.

Quantas parcelas irei receber?

A quantidade total de parcelas que o cidadão terá direito vai depender de quando ela começou a receber o auxílio. O máximo são nove parcelas, sendo as cinco primeiras de R$ 600 e as quatro últimas de R$ 300.

  • Quem recebeu a 1ª parcela em abril: 9 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª parcela em maio: 8 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª parcela em junho: 7 parcelas
  • Quem recebeu a 1ª parcela em julho: 6 parcelas
  • Quem recebeu a última parcela de R$ 600 em agosto: vai receber 4 parcelas de R$ 300 nos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro;
  • Quem recebeu a última parcela de R$ 600 em setembro: vai receber 3 parcelas de R$ 300 nos meses de outubro, novembro e dezembro;
  • Quem recebeu a última parcela de R$ 600 em outubro: vai receber 2 parcelas de R$ 300 nos meses de novembro e dezembro;
  • Quem recebeu a última parcela de R$600 em novembro: vai receber apenas 1 parcela de R$ 300, em dezembro.

Veja também: Auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores do esporte é VETADO

Leia Também:

2 Comentários
  1. IVANEIDE SILVA SOUZA Diz

    Tem milhões pra da aos políticos não falta políticos roubando e tendo.privilegios e o.povo não tem direito ao que é seu.

  2. Taison oliveira Loreto Diz

    O Sr. Paulo Guedes para os banqueiros baixa até às cuecas, mas para o trabalhador que move a economia ele não quer liberar nada nem o seguro desemprego não quer só fica adiando

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?