Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Após recorde, desemprego tem leve queda na pandemia

Na primeira semana de setembro, IBGE registrou queda de 5% no índice de desemprego

Na última sexta-feira (25), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou novos dados sobre o desemprego. Após ter batido recorde em agosto, o índice de desemprego apresentou ligeira queda no Brasil.

O levantamento feito pelo IBGE mostrou que, entre a última semana de agosto e a primeira semana de setembro, diminuiu em cerca de 700 mil o número de brasileiros procurando por um posto no mercado de trabalho. O número representa uma redução de cerca de 5% e, segundo o IBGE, é considerado estabilidade estatística.

No total, há 13 milhões de brasileiros desempregados no país. Com a ligeira queda, a taxa de desemprego caiu de 14,3% para 13,7%. Em maio, quando a pesquisa foi iniciada, a taxa era de 10,5%. A população ocupada foi de 82,3 milhões de pessoas. O número representou uma alta de cerca de 170 mil brasileiros, ou alta de 0,2%, também considerada estabilidade estatística.

Mesmo com a estabilidade estatística, o IBGE concluiu que o indicado mantém “pequena tendência de aumento”. Essa tendência é observada desde julho. “Essa recuperação recente vem se dando especialmente entre os trabalhadores informais, que foram os mais atingidos no início da pandemia”, afirmou Maria Lúcia Vieira, coordenadora da pesquisa.

O levantamento do IBGE mostrou também que, entre a última semana de agosto e a primeira de setembro, houve aumento de aproximadamente 560 mil trabalhadores atuando na informalidade no Brasil. Há cerca de 28,5 milhões de brasileiros em trabalhos informais. A taxa de informalidade no país subiu de 34,0% para 34,6%.

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?