Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Rede de hipermercados é condenada por alteração unilateral de contratos

A 7ª Vara do Trabalho de Guarulhos-SP condenou uma rede de hipermercados a indenizar em R$ 100 mil, operadores e recepcionistas de caixa de lojas, por dano moral coletivo. A origem da decisão foi uma ação civil coletiva ajuizada pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Guarulhos (SP).

Alteração unilateral

De acordo com a entidade representante dos trabalhadores, o empregador adotou o regime 12×36 de forma unilateral. Consequentemente, houve uma redução de salário desses empregados. Assim, além da indenização por dano moral coletivo, o sindicato pleiteava o pagamento de horas extras correspondentes, diferenças salariais e seus reflexos, e multa convencional.

Na sentença, a juíza do trabalho substituta Paola Barbosa de Melo apontou desrespeito às normas coletivas da categoria. E ainda, a negociação de redução salarial e alteração de jornada realizada sem a participação do sindicato. 

Destaca-se o trecho: “Embora afirme a Ré que o regime especial 12×36 seria mais benéfico aos trabalhadores, no caso dos autos isso não foi provado.

Redução salarial 

Portanto, a alteração da jornada resultou em redução salarial mensal dos empregados, que antes recebiam o piso da categoria com jornada de 220 horas mensais. Assim, passaram a ser remunerados por apenas 192 horas mensais, como confirmado em contestação, ao temor dos artigos e 468 da CLT. Igualmente, contrariando o disposto no caput do art.7º da Constituição e de seu inciso VI

Ademais, os trabalhadores deixaram de receber remuneração adicional pelo trabalho nos feriados de sua escala, o que não ocorria quando vigia a jornada ordinária prevista na Constituição”.

Nulidade

Assim, a decisão em 1º grau julgou parcialmente procedentes os pedidos da ação civil coletiva. Portanto, declarou a nulidade da instituição individual do regime de jornada 12×36, a partir de dezembro de 2018. Ou seja, tornou nula toda alteração via contratual ou por meio de novos contratos de trabalho, sem prévia negociação coletiva. 

A determinação alcança todos os empregados que exercem as funções de operadores e/ou recepcionistas de caixa no município de Guarulhos. 

Dano moral coletivo

Por isso, a empresa foi condenada ao pagamento da indenização pelo dano moral coletivo, além de outras obrigações. Da decisão proferida, cabe recurso.

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

PENSAR CURSOS brasil 123

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?