Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Atualidades: Entenda o rompimento da barragem de Brumadinho

O acidente ocorrido em 2019 pode estar presente no Enem e em vestibulares do todo o País

O rompimento da barragem de Brumadinho em 2019, foi um dos maiores desastres ambientais do Brasil.

Por ser tão recente e igualmente importante, o assunto pode aparecer no ENEM, assim como em vestibulares de todo o país. Portanto, vale super a pena estudar.

Para conseguir entender o que de fato houve, o que acha de acompanhar o artigo?

Barragem de Brumadinho – Para que servia?

A priori, vale saber que a barragem de Brumadinho se encontrava desativada e fazia parte da mina Córrego do Feijão, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). De propriedade da empresa Vale do Rio Doce, ela faz parte do Complexo Minerador Paraopeba.

As duas barragens têm objetivo de frear os rejeitos finos do tratamento do minério, retendo água para reaproveitar no processo industrial.

Implantada na década de 70, a barragem I do Feijão servia para separar as impurezas para aumentar o valor do minério de ferro. O processo de separação ajuda a barrar rejeitos e não poluir o rio da região.

Seu processo baseia-se na criação de obstáculos em alteamentos de terra, conhecida como barragem montante, onde colocam-se tapetes drenantes, visando armazenar a água de dentro da barragem.

É um dos métodos com menor custo para construção e o mais popular no país. Forma-se uma espécie de praia com resíduos de mineração, com ferro, sílica e água, entretanto possuí uma alta sensibilidade a qualquer vibração.

Barragem de Brumadinho – Rompimento

Em janeiro de 2019, a barragem BI da mina do Córrego do Feijão desabou, causando uma verdadeira onda devastadora de lama de rejeitos sobre a região e arredores da cidade de Brumadinho.

Estima-se que 11,7 milhões de metros cúbicos de um verdadeiro tsunami de lama que causou centenas de mortes, assim como um rastro enorme de destruição, além de um prejuízo ambiental incalculável.

A saber, as sirenes de segurança, não tocaram durante o rompimento da barragem, fato que contribuiu para as centenas de mortos.

Vítimas da tragédia

O número de vítimas da barragem de Brumadinho chegou a 270 pessoas entre mortos e desaparecidos. Além dessa tragédia humana, a saber, a região em si ficou praticamente destruída e completamente poluída.

Houve uma grande participação do Corpo de Bombeiros, Exército Brasileiro, Exército de Israel, Força Aérea Brasileira, Defesa Civil e voluntários, todos envolvidos no resgate, salvamento de vidas ou então para encontrar corpos de vítimas pela tragédia.

A repercussão do desastre rodou o mundo, e gerou uma grande mobilização nacional e internacional para arrecadação de mantimentos.
Além disso, as buscas por desaparecidos acontecem até os dias de hoje na região.

Barragem de Brumadinho – Causas do rompimento

Acesse Agora as Principais Notícias no Brasil e fique atualizado

As causas para o rompimento da barragem ainda não foram 100% entendidas, desta forma, muitas especulações são feitas em torno da tragédia.

Uma das suposições, é que tenha ocorrido a liquefação do solo, ou seja, uma pressão na estrutura, causando o rompimento.

Outra hipótese é que explosões com dinamites perto da área, possa ter ajudado a romper a barragem.

A saber, a barragem BI do córrego do Feijão estava sem fiscalizações desde 2016. A empresa contava apenas com normas de seguranças e atesta que respeitava todos os procedimentos.

Após o desastre, o MPF (Ministério Público Federal) recomendou que os órgãos ambientais, não concedam novas licenças ambientais para barragens que usam alteamento a montante como técnica.

Uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) foi aberta no Senado, sendo 14 pessoas indiciadas, entre engenheiros e executivos da Vale.

Impactos ambientais

Os impactos ambientais foram devastadores, deixando um rastro de destruição na região e no meio ambiente. Podemos destacar:

  • Devastação de 133,27 hectares da Mata Atlântica
  • Impacto severo na Fauna e Flora da região
  • Contaminação do rio Paraopeba que é um dos afluentes do rio São Francisco.
  • Características naturais do solo foram severamente afetadas

Os impactos são praticamente incalculáveis e o IBAMA chegou a multar a vale em R$ 250 milhões, valor até simplório perto do impacto ao meio ambiente.


E então, o que acha de incluir o tema em seus estudos? Há muita probabilidade de cair nas próximas provas.

Leia também – Atualidades: Entenda a problemática dos aterros sanitários

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?